Categorias
Databases Infra

Finalmente uma razão para eu indicar o SQL Server: o Linux!

Sem querer iniciar uma discussão do tipo “Oracle é melhor ou pior que SQL Server?” (seria igual discutir sobre qual time de futebol é melhor – e todos sabem que é o Vasco da Gama!), gostaria de comentar sobre um grande avanço do SQL Server: a disponibilidade para Linux. Vou explicar isso melhor.

Sempre que sou chamado para opinar sobre qual sistema de gerenciamento de bancos de dados (RDBMS) deve ser escolhido em algum projeto relativamente grande, indico o PostgreSQL ou o Oracle.

E o SQL Server? Ele é um concorrente de peso, afinal:

  1. É desenvolvido e suportado pela Microsoft;
  2. É utilizado em grandes sistemas, com milhares de dados e acessos concorrentes; e
  3. É mais barato que o Oracle.

Além disso todos os três (PostgreSQL, Oracle e SQL Server) têm milhares de features e são capazes de manter a integridade dos dados suportando grande número de acessos simultâneos (ACID compliant, multi-versioning, read-consistency, transaction isolation, etc.).

Assim, se todos oferecem mais ou menos as mesmas coisas, por que eu nunca indicava o SQL Server? Por causa da restrição de sistema operacional.

O Oracle 12c pode ser instalado em:

  • Windows
  • Linux
  • Solaris (SPARC)
  • Solaris
  • HP-UX
  • AIX
  • zLinux

O PostgreSQL 10 pode ser instalado em:

  • Linux (Red Hat, CentOS, Debian, Ubuntu, SuSE e outros)
  • BSD (openBSD, FreeBSD)
  • Solaris
  • MacOS
  • Windows
  • Outros sistemas Unix-like

O SQL Server, até o mês passado, só podia ser instalado em:

  • Windows

E sempre considerei a restrição de sistema operacional o maior ponto fraco do SQL Server. E aqui não se trata de uma briguinha “Linux x Windows”, mas sim de algo muito mais importante: do futuro dos sistemas operacionais.

Pergunte-se a você mesmo: o Windows será a “plataforma do séc. XXI” para os RDBMS? Se você acha que sim, o SQL Server pode ser ideal.

Eu particularmente não considero que o Windows será a plataforma dominante em relação aos RDBMS e, por isso, nunca indiquei o SQL Server: eu não gostaria de usar um banco de dados que é preso a um sistema operacional que acredito não ter muito futuro (pelo menos no que concerne aos bancos de dados).

Mas agora um grande avanço ocorreu: este mês, oficialmente, a Microsoft liberou o SQL Server para Linux, libertando-o da restrição ao Windows.

Finalmente, agora, eu tenho um bom motivo para também indicar o SQL Server como alternativa. Ainda temos que acompanhar como será o desenvolvimento e a maturação do SQL Server no Linux, mas o começo é promissor!

Nota marginal 1: espero que agora todos tenham entendido a ilustração desse artigo: “Linux + SQL Server = Oracle”. Estou me referindo à possibilidade de instalação em mais de um sistema operacional.

Nota marginal 2: para reflexão (e polêmica): será que a Microsoft também não acredita que o Windows será a plataforma ideal para bancos de dados no futuro e, por isso, abraçou o Linux como possibilidade?

E quanto aos outros bancos de dados, como DB2, Sybase ou MySQL? Não tenho muita familiaridade com o DB2 ou o Sybase, portanto não posso opinar com propriedade. E o MySQL tem um ponto fraco que, para mim, o exclui como alternativa (falarei sobre isso em um próximo artigo).

Obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *