Categorias
Linguagem de Programação Lisp

Lisp: sintaxe e semântica

NOTA 1: este texto traduz meu entendimento do “Chapter 4: Syntax and Semantics” do livro de Peter Seibel: “Practical Common Lisp”, e serve como um resumo desse capítulo para meu próprio consumo futuro.

NOTA 2: eu não posso ser considerado o autor deste texto pois praticamente tudo aqui foi retirado do Practical Common Lisp. Minha contribuição foi apenas a de resumir o texto, torná-lo um pouco mais claro para iniciantes e acrescentar figuras e códigos que eu mesmo produzi para ilustrar e clarificar os conceitos.

NOTA 3: quando escrevo “Lisp” estou me referindo especificamente ao dialeto Common Lisp.

NOTA 4: os exemplos foram gerados com a implementação SBCL (Steel Bank Common Lisp), através do Portacle.

1. Como Lisp funciona?

Para entender corretamente a sintaxe e a semântica de Lisp temos que entender, de modo geral, como as linguagens de programação entendem e executam o código fonte (o texto do programa), e entender como Lisp é diferente nesse aspecto.

De modo geral as linguagens de programação definem um Processador de Linguagem, uma “caixa-preta” responsável por ler o texto do código fonte e transformar esse texto em alguma ação. Esse processador de linguagem, essa caixa-preta abstrata única, costuma ser subdividido em 3 partes:

  • Lexical analyzer: “quebra” o stream de caracteres do texto do código fonte em tokens apropriados e encaminha esses tokens para o parser;
  • Parser: pega os tokens e, de acordo com a gramática da linguagem, constrói uma estrutura em árvore que representa as expressões do programa, a Abstract Syntax Tree (AST). Essa AST é então enviada ao evaluator; e
  • Evaluator: recebe a AST e a interpreta diretamente ou realiza uma compilação (dependendo se a linguagem é interpretada ou compilada).

Podemos entender a caixa-preta única do language processor da seguinte maneira:

Importante: como o processador de linguagem é uma caixa-preta, as estruturas de dados utilizadas internamente (tokens, ASTs e outras) são completamente diferentes da estrutura do código fonte em si (o texto do programa) e são de interesse apenas para o desenvolvedor da linguagem.

Em Lisp a situação é diferente: existem 2 caixas-pretas distintas: o Reader e o Evaluator. A primeira caixa-preta é o Reader:

  • READER: lê o texto do código fonte e transforma esse texto em Lisp Objects na forma de s-expressions (symbolic expressions). As s-expressions, grosso modo, são uma notação simbólica para representação de dados em listas aninhadas, formando assim uma estrutura em árvore para a representação do programa (parecido com a AST).

Note agora o seguinte: as s-expressions não são usadas apenas internamente na criação dos Lisp Objects: o próprio código fonte em Lisp é escrito em s-expressions! Aqui temos a primeira distinção importante entre Lisp e outras linguagens de programação: em Lisp a estrutura de dados utilizada internamente pelo processador de linguagem não fica “escondida”, pois é a mesma estrutura utilizada pelo programador ao escrever o código fonte: as s-expressions!

Considere o seguinte exemplo: para calcular 2 x (3 + 4) podemos escrever a seguinte s-expression: (* 2 (+ 3 4)). Essa s-expression, no texto do código fonte, é lida pelo READER e transformada em um Lisp Object também representado por uma s-expression:

Note que uma s-expression pode se referir tanto ao código fonte do programa, quando a um Lisp Object que foi criado pelo READER.

A segunda caixa-preta no processador de linguagem da Lisp é o Evaluator:

  • EVALUATOR: recebe os Lisp Objects na forma de s-expressions e decide quais desses Lisp Objects (quais dessas s-expressions) serão transformadas em Lisp Forms, que são s-expressions que têm significado semântico. Após decidir quais Lisp Objects são Lisp Forms, o evaluator interpreta os Lisp Forms.

Para entender a diferença entre Lisp Objects e Lisp Forms, note o seguinte: ("somar" 1 2) é uma s-expression válida que formará um Lisp Object válido, mas não é um Lisp Form válido pois uma lista que começa com uma string não tem significado semântico na linguagem. Já a expressão (somar 1 2) é tanto um Lisp Object válido como um Lisp Form válido (neste último caso a palavra somar é interpretada como um símbolo que representa alguma procedimento, provavelmente para realizar a adição de 1 com 2).

Podemos esquematizar essas duas caixas-pretas do processador de linguagem em Lisp do seguinte modo:

É importante notar que:

  • Cada nível define sua própria sintaxe:
    • O READER define como as s-expressions que representam o código fonte serão transformadas em Lisp Objects;
    • O EVALUATOR define como os Lisp Forms serão construídos a partir dos Lisp Objects.
  • A mesma estrutura é utilizada tanto para escrever o código fonte quanto para representar o programa no processador de linguagem: as s-expressions;
  • Como tudo é baseado em s-expressions, você pode utilizá-las como um formato externalizável de dados;
  • Como a semântica da linguagem é baseada em s-expressions, então a semântica é baseada em árvores de objetos (e não em strings de caracteres como em outras linguagens). Isso faz com que seja muito mais fácil gerar código dentro da própria Lisp, principalmente através da manipulação de dados e códigos já existentes (essa é a base para as Macros em Lisp, uma das características mais importantes dessa linguagem).

2. A sintaxe do READER

O READER lê as s-expressions do código fonte e as transforma em Lisp Objects, também representados por s-expressions. Mas o que são, afinal, as s-expressions?

Uma s-expression é uma expressão formada por lists e/ou atoms:

  • List: é delimitada por parênteses e pode conter um número ilimitado de elementos separados por espaços. Esses elementos podem ser atoms ou outras lists.
  • Atom: é qualquer outra coisa (uma string, um símbolo, um número, etc.)

ATENÇÃO: note que pela definição anterior:

  • Uma lista É uma s-expression
  • Um atom É uma s-expression
  • A lista vazia () é tanto um atom quanto uma lista. Observação: a lista vazia pode ser escrita como NIL, e é a única representação do valor booleano “falso” em Lisp.

Para checar se alguma expressão é um atom ou uma list, podemos usar as funções ATOM e LISTP, que retornam verdadeiro (T) ou falso (NIL) se a expressão é, respectivamente, um atom ou uma lista. Alguns exemplos:

Os atoms mais comuns em Lisp são os números, strings e nomes:

  • Números: podem ser de diferentes tipos:
    • inteiros: 34
    • razões (exatos): 1/3
    • single-floating: 1.0, 1.0e0
    • double-floating: 1.0d0, 1.0d-2
    • complex
  • Strings: caracteres entre aspas duplas. O caracter \ escapa o próximo caracter.
  • Nomes: são os identificadores que dão nomes à funções, variáveis, etc. Quase todos os caracteres podem ser utilizados, exceto: espaço, parênteses, aspas simples ou duplas, crase, dois pontos, vírgulas, ponto e vírgula, contra barra e pipe. ATENÇÃO:
    • O READER transforma os nomes em objetos chamados de Symbols, que representam os identificadores e dão nomes às coisas, mas os symbols são sempre convertidos em LETRAS MAIÚSCULAS (exceto se escapados com \ ou ||).
    • Ao encontrar um nome o READER primeiro converte em maiúsculas, e depois procura no ambiente do Lisp se já existe um symbol que represente esse nome: se existir ele simplesmente retorna o symbol que já existe; se não existir ele cria um novo symbol e internaliza essa definição no ambiente do Lisp (em uma “tabela” chamada de package).
    • Convenções importantes para nomes:
      • - para separar palavras: calcula-numero
      • ? para “testes” lógicos: ?number
      • -> para conversões: de->para
      • *variavel* para variáveis globais
      • +constante+ para constantes
      • %funcao ou %%funcao para funções de baixo nível
      • :chave para keywords

Para verificar o “tipo” de uma s-expression podemos usar a função TYPE-OF:

Seguindo as regras de sintaxe acima o READER lê as s-expressions do código fonte e as transforma em Lisp Objects que são passados ao EVALUATOR.

3. A sintaxe do EVALUATOR

Depois que o READER leu e transformou as s-expressions do código em Lisp Objects, o EVALUATOR determina quais Lisp Objects têm valor semântico e trata essas expressões como Lisp Forms. Essas Lisp Forms serão posteriormente avaliadas pelo próprio EVALUATOR para retornar algum valor.

A regra sintática que o EVALUATOR utiliza para determinar se um Lisp Object é um Lisp Form válido é a seguinte:

  • Todo atom é um Lisp Form válido;
  • A lista vazia (), ou NIL, é um Lisp Form válido;
  • Toda lista não vazia é um Lisp Form válido desde que seu primeiro elemento seja:
    • Um symbol; ou
    • Uma expressão lambda.

Todo Lisp Form é então avaliado pelo EVALUATOR que retorna o valor da Lisp Form.

4. Como o EVALUATOR avalia os Lisp Forms?

Já vimos que uma Lisp Form é um objeto sob a forma de uma s-expression (Lisp Object) que tem sentido semântico na linguagem. O EVALUATOR avalia cada Lisp Form e retorna algum valor para essa form, de acordo com as três regras principais de avaliação, a seguir:

  • Se a Lisp Form for um atom:
    • Se o atom for um symbol, retorna o valor atual do symbol;
    • Se o atom for um keyword symbol, define uma constante com esse nome, e o symbol como o valor; e
    • Se o atom for outra coisa: ele é um self-evaluating object, retorna seu próprio valor.

Na figura abaixo, o atom X é um symbol que foi avaliado pelo EVALUATOR: seu valor atual, 10, foi retornado. O inteiro 20 também é um atom, mas não é um symbol, então é self-evaluating: o próprio valor do atom é retornado. Por fim, a string “casa” também é um atom que não é symbol, então é self-evaluating e o próprio valor do atom é retornado.

  • Se a Lisp Form for a lista vazia (), retorna NIL:
  • Se a Lisp Form for uma lista não vazia e o primeiro elemento for um symbol, esse elemento será avaliado para determinar se o symbol representa uma função, um operador especial ou uma macro. É importante definir o que o symbol representa pois a avaliação será diferente dependendo se o Lisp Form for uma function call, uma special form ou uma macro form:
    • Function call: se o symbol representar uma função, a regra de avaliação é a seguinte: avalie todos os elementos restantes na lista, recursivamente, como Lisp Forms, e passe os valores resultantes dessas avaliações como argumentos para a função representada pelo symbol. Note que os argumentos são avaliados recursivamente antes da função ser chamada.
    • Special form: se o symbol representar um operador especial (existem 25 operadores especiais, como IF, QUOTE e LET) a regra de avaliação é a seguinte: avalie todos os elementos restantes na lista, de acordo com a regra específica de cada operador especial. Dessa forma as Special Form servem para implementar características da linguagem que precisam de algum processamento especial pelo EVALUATOR, diferente das Function Call.
    • Macro form: se o symbol representar uma macro, a regra de avaliação é a seguinte: em primeiro lugar, os elementos da macro são passados, não avaliados, para a função macro; em segundo lugar, a Lisp Form retornada pela função macro (chamada de expansion) é então avaliada de acordo com as regras normais de avaliação.
      • Note que uma macro é uma função que pega s-expressions como argumentos não avaliados e retorna um outro Lisp Form que é então avaliado no lugar da macro form.
      • Como o EVALUATOR não avalia os elementos antes de passá-los à função macro, eles não precisam ser Lisp Forms válidos (essa é a única exceção na linguagem). Cada macro define sua própria sintaxe local para dar significado às s-expressions não avaliadas que são passadas à função macro.

5. Por fim

Talvez de forma mais exigente do que em outras linguagens, a Lisp realmente OBRIGA que os programadores:

  • Entendam a sintaxe (tanto do READER quando do EVALUATOR)
  • Entendam principalmente e de modo cristalino, as regras de avaliação dos Lisp Forms (essas regras são a parte mais importante deste texto)

Se as regras de avaliação dos Lisp Forms não estiver absolutamente claro, programar em Lisp pode ser bem frustrante. Entretanto, uma vez que a sintaxe e as regras de avaliação estejam dominadas e internalizadas, a programação em Lisp é extremamente produtiva!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *