VaChina: “La garantía soy yo!”

Sejamos francos… todo mundo sabia que a vaChina (a vacina Coronavac, Chinesa) era suspeita desde o inicio. Muitas pessoas, de boa fé, ainda torciam para que a vacina fosse eficaz. Eu fiquei cético quando soube que nem a China compraria/utilizaria sua própria vaChina.

Eu preferi esperar e sempre disse que, pelo andar da carruagem, a eficácia parecia baixa e, sem dados de segurança a médio e longo prazo, eu não tomaria a vacina. Postei várias vezes aqui: eficácia baixa e segurança desconhecida: eu passo. E o que ocorreu?

Bem, ocorreu que a eficácia, infelizmente, é de 50,38%. Será mesmo? Tenho muitas dúvidas e acredito que esse número seja MENOR ainda devido ao ocultamento dos dados integrais pelo Instituto Butantan.

Isso sem falar que a propaganda era de que a eficácia seria absurdamente alta, depois passou para 70%, depois passou para “acima de 60%”, depois passou para “mais do que 50%”, e agora está em 50,38%:

O governo Dória e o Instituto Butantan foram reduzindo a eficácia prevista ao logo do tempo. Será que esse cálculo de 50,38% está correto mesmo?

Agora posso dizer com certeza: eficácia baixa e sgurança em médio e longo prazo desconhecida. EU PASSO.

Claro, sempre tem alguém para dizer: “ah, mas previne 75% dos casos moderados e 100% dos graves”. Será? Você acredita? Sem ter acesso aos dados do estudo? Um estudo altamente supeito, por sinal?

Como avaliar corretamente esses números, sem acesso aos dados? É necessário saber QUANTOS pacientes existiam em cada nível de gravidade da doença (assintomáticos, leves, moderados, graves), os CRITÉRIOS de classificação nos níveis e muitas outras informações. Ocorreram vieses? Como foi a análise?

Ora: uma diminuição de 4 casos para 1 caso representa 75% de diminuição (na verdade a conta não é bem asim, estou simplificando). Isso é relevante? Isso PROVA que a eficácia é de 75% na população em geral?

Bem… pode ser que sim ou que não. Sem os dados não é possível saber com certeza. E o mistério e o segredo que o Butantan está fazendo com esses dados, só reforça a suspeita.

O Instituto Butantan e o Dória estão agindo igual a uma antiga propaganda do Walter Mercado, quando confrontados com a realidade: “La garantía soy yo”. Sei… acredito sim…

Três conclusões importantes:

  1. Dória é um grande bobo, um palhaço mesmo. Acreditou em um “negócio da China” e quis ser o grande salvador da pátria, com chances de vencer Bolsonaro em 2022. Atropelou todos os protocolos, peitou a Anvisa, disse que vacinaria na marra, que a vaChina era a salvação do Brasil, ameaçou a liberdade de quem não quisesse ser vaChinado, pintou e bordou. Caiu do cavalo e ainda tomou um coice. E se, quando os dados originais integrais foram finalmente revelados, a eficácia real auditada por terceiros for menor ainda, o cavalo ainda fará cocô em sua cabeça.
  2. O Instituto Butantan, ao aceitar ser instrumento do jogo político e embarcar nessa aventura eleitoreira de Dória, dando suporte científico (ou seria melhor dizer pseudo-cientifico?) às pretensões políticas do governador bobo, conseguiu em poucos meses ABALAR sua credibilidade construída em mais de um século de existência. Pergunte a si mesmo: você confiaria em qualquer coisa que o Butantan falar agora? Pena.
  3. Não se mistura ciência e política. Ainda mais com um governador sedento por poder, sem escrúpulos, fazendo de tudo para se projetar e queimar a imagem de seu principal oponente, o presidente Bolsonaro.
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *